Arquidiocese

Horários

Catequese Digital

[+info]

Desejo subscrever a newsletter do Arciprestado de Fafe
José António Ribeiro de Lima Carneiro | 10 Jul 2020
João Carlos Castro vai ser padre
Ordenação Presbiteral é motivo de alegria para a Paróquia de Quinchães e para todo o Arciprestado que há mais de 20 anos não vive momento similar
PARTILHAR IMPRIMIR
 

O Diácono João Carlos Machado Castro será ordenado presbítero no próximo dia 19 de Julho, às 15h30, no Sameiro. A Missa de Apresentação à Comunidade (Missa Nova) está marcada para 2 de Agosto, às 16h, na igreja de Quinchães. Como preparação para este momento de graça, o Arciprestado de Fafe vai promover uma vigília de oração vocacional, no dia 17 de Julho, sexta-feira, na igreja paroquial de Quinchães, que será transmitida no facebook.

Com a Ordenação Presbiteral do Diácono João Carlos não deixamos de rezar ao Senhor da Messe para que muitos possam abrir o seu coração ao chamamento de Deus. Rezamos especialmente pelos seminaristas e pré-seminaristas do nosso arciprestado e por todos os jovens para que abram o seu coração ao chamamento e respondam com generosidade.

Todos estes momentos de oração e celebração estão sujeitos às restrições em vigor em virtude da Covid19. 

 


Para um maior conhecimento deste jovem fafense, partilhamos as suas respostas atualizadas às perguntas de uma entrevista antiga:


Frequentou o Seminário Menor entre 2002-2004, tendo decidido interromper a sua caminhada vocacional.

Porém Deus não o largou, e após ter trabalhado durante seis anos, em 2012 voltou a ingressar no Seminário e retomar a sua caminhada vocacional rumo ao sacerdócio.

 

1 - João, enquanto jovem, que palavra utilizarias para definir a juventude hodierna à qual pertences?

 

A juventude de hoje é o “Futuro”. A juventude é fundamental para a sociedade atual. Não que a juventude tenha grande experiência de vida, mas é o grupo que renova, que questiona; é a juventude que, não só se adapta mais facilmente às mudanças, como é capaz de criar as próprias mudanças. Qualquer país que não invista na juventude, não tem futuro.

Hoje em dia vivemos sob a influência dos media, somos uma geração com sonhos, mas ao mesmo

tempo sofrida, pois muitas famílias passam actualmente muitas dificuldades. Devemos reconhecer, além disso, que os jovens de hoje, com a força e a pujança típicas da sua idade, são portadores dos ideais que moldarão o futuro.

Os seminaristas, os religiosos e jovens, ao iniciarem a aventura fascinante da vocação e da vida consagrada a Cristo, são para Igreja e para o mundo um sinal de esperança. Saliente-se, ainda, que o testemunho dos sacerdotes e o exemplo de entrega radical dos consagrados, no meio do mundo, devem suscitar novas vocações.

 

2 - Tu já estiveste no Seminário Menor. Entretanto saíste, estiveste a trabalhar e depois regressaste. Que sinais observaste que te levaram a perceber que Deus te chamava “novamente”?

 

Depois do Seminário Menor, trabalhei seis anos no Hipermercado Pingo Doce, namorei, vivi a minha vida… mas senti sempre a falta de qualquer coisa. Sentia-me incompleto, um vazio enorme existia dentro de mim. Além disso, nunca deixei de ir à Eucaristia e de fazer a minha oração pessoal, algo que, acredito, foi mantendo uma chama que continuava a arder dentro de mim. Percebi aos poucos que a minha vida só tem sentido em Deus e para Deus, porque “os sonhos não morrem, apenas adormecem na alma da gente”.

Ganhei coragem de aceitar novamente o que Deus queria para mim e falei com um padre meu amigo, que me convidou a participar em algumas tarefas na paróquia, algo que me ajudou no meu crescimento humano e espiritual.

Por isso, esta necessidade de servir a Deus foi-se evidenciando até que disse sim à proposta do pré-seminário adulto, um conjunto de encontros no Seminário Maior de Braga que frequentei e que me ajudou a esclarecer as dúvidas na minha caminhada vocacional. Passado um ano, entrei no Seminário Maior para uma nova vida. Estou no Seminário há um ano, durante o qual sinto que

tenho crescido imenso, tanto a nível espiritual como humano. Sei que Deus prepara amorosamente

os jovens que abrem o coração a Cristo, segundo o evangelho, para serem sacerdotes. Mas nem sempre os jovens correspondem ao chamamento de Deus. No meu caso, o chamamento de Deus foi imprevisto e surpreendente. Eu já tinha uma vida estável, mas Deus “perseguiu-me” e eu deixei tudo para voltar a segui-Lo.

 

3 – Enquanto diácono e futuro padre, qual seria a atitude que apontarias para a vida sacerdotal?

 

Eu apontaria não uma, mas duas importantes: o serviço e a humildade. Na passagem bíblica em que Jesus lavou os pés aos Apóstolos, deu-lhes o maior exemplo. Da mesma forma, hoje em dia o sacerdote está ao serviço da comunidade. Na caminhada cristã, não pode haver oposição entre o amar e o servir – elas devem complementar-se.

Jesus, ao longo da sua vida, deu-nos uma grande lição de Amor, traduzida em serviço gratuito e entrega total aos outros. Desta forma, também o sacerdote, com o seu testemunho e a sua acção pastoral, deve ter a preocupação de envolver os jovens na vida paroquial, tornando-se assim próximo e um bom companheiro dos jovens, que precisam de boas referências para as suas vidas.

Mais do que discursos belos, que também fazem falta, acredito que o serviço ao estilo humilde cativa imenso os nossos jovens para a radicalidade do evangelho.

Deste modo, ter escolhido como lema de ordenação “Eu sou o bom Pastor. O bom Pastor dá a vida pelas suas ovelhas” (Jo 10,11), porque não há nada melhor do que dar a vida pelos amigos, de nos gastarmos a cuidar dos outros.

 

4 - Que mensagem gostarias de deixar aos jovens do Arciprestado de Fafe, que ainda discernem a sua vocação?

 

A mensagem que gostaria de deixar aos jovens do Arciprestado de Fafe é: «não tenhais medo» de abrir o vosso coração a Cristo e de confiar no Seu amor e na Sua Palavra, como nos dizia S. João Paulo II. Sois convidados a ir em busca, como nos refere o Santo Padre: «Jesus não disse: se vocês quiserem, se tiverem tempo, vão; mas disse: “Ide e fazei discípulos entre todas as nações”. Porque “os que confiam no Senhor serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre» (Sl. 125, 1).

A vossa felicidade está em Jesus Cristo, que é a Verdade e a Vida, por isso colocai as vossas vidas nas Suas mãos e tereis uma vida mais bela e verdadeira.

 

 

PARTILHAR IMPRIMIR
Arciprestado de Fafe
Contactos