Liturgia Dominical
XXV Domingo do Tempo Comum | C
Arquidiocese

Programa Pastoral 2019+2020
“Levantar-se e semear esperança”
[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Departamento para Ministros Extraordinários da Comunhão e Ministérios Litúrgicos
12 Abr 2016
Lectio Divina de Abril
" Os discípulos de Emaús"
PARTILHAR IMPRIMIR
 

IV. Onde posso encontrar-me com o Deus da misericórdia?

 

Lc 24, 13-35 (Os discípulos de Emaús)

13Nesse mesmo dia, dois dos discípulos iam a caminho de uma aldeia chamada Emaús,que ficava a cerca de duas léguas de Jerusalém; 14e conversavam entre si sobre tudo o que acontecera. 15Enquanto conversavam e discutiam, aproximou-se deles o próprio Jesus e pôs-se com eles a caminho; 16os seus olhos, porém, estavam impedidos de o reconhecer.

17Disse-lhes Ele: «Que palavras são essas que trocais entre vós, enquanto caminhais?». Pararam, entristecidos. 18Um deles, chamado Cléofas, respondeu:«Tu és o único forasteiro em Jerusaléma ignorar o que lá se passou nestes dias!».19Perguntou-lhes Ele: «Que foi?».Responderam-Lhe:«O que se refere a Jesus de Nazaré,profeta poderoso em obras e palavrasdiante de Deus e de todo o povo;20como os sumo-sacerdotes e os nossos chefeso entregaram para ser condenado à morte e crucificado.21Nós esperávamos que fosse Ele o que viria redimir Israel, mas, com tudo isto, já lá vai o terceiro dia desde que se deram estas coisas.22É verdade que algumas mulheres do nosso gruponos deixaram perturbados, porque foram ao sepulcro de madrugada 23e,não achando o seu corpo, vieram dizer que lhes apareceram uns anjos, que afirmavam que Ele vivia. 24Então, alguns dos nossos foram ao sepulcroe encontraram tudo como as mulheres tinham dito.Mas, a Ele, não O viram».

25Jesus disse-lhes, então:«Ó homens sem inteligência e lentos de espíritopara crer em tudo quanto os profetas anunciaram!26Não tinha o Messias de sofrer essas coisaspara entrar na sua glória?».27E, começando por Moisése seguindo pelos Profetas,explicou-lhes, em todas as Escrituras, tudo o que Lhe dizia respeito.

28Ao chegarem perto da aldeia para onde iam, fez menção de seguir para diante.Os outros, porém, insistiam com Ele, dizendo: «Fica connosco, pois a noite vai caindo e o dia já está no ocaso». Entrou para ficar com eles.30E, quando Se pôs à mesa, tomou o pão, pronunciou a bênção e, depois de o partir, entregou-lho.31Então, os seus olhos abriram-se e reconheceram-no; mas Ele desapareceu da sua presença.32Disseram, então, um ao outro:«Não nos ardia o coração,quando Ele nos falava pelo caminhoe nos explicava as Escrituras?».

33Levantando-se, voltaram imediatamente para Jerusaléme encontraram reunidos os Onze e os seus companheiros, 34que lhes disseram:«Realmente o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!».35E eles contaram o que lhes tinha acontecido pelo caminhoe como Jesus se lhes dera a conhecer, ao partir o pão.

 

Introdução

Lc 24, 13-35 é uma catequese que tem como objectivo levar-nos a descobrir a presença de Jesus ressuscitado na celebração da Eucaristia.

Antes de nos aproximarmos do texto, preparamos o coração a fim de o acolher como Palavra de Deus. Colocamo-nos na presença do Senhor com uma breve oração ou invocando a presença do Espírito.

 

1. Leitura atenta do texto (Lectio)

Neste primeiro momento, a atenção fixa-se no texto, com o desejo de descobrir qual é a mensagem que o autor quis transmitir aos seus primeiros destinatários.

a) Leitura. Proclama-se o texto escolhido, em voz alta, e todos escutam atentamente.

b) Silêncio. Cada um lê novamente a passagem, ajudado pelas notas da Bíblia. Perguntas para a reflexão:

. Que mudanças se dão na situação dos discípulos entre o início e o fim?

. O que é que torna possível esta transformação tão radical?  

. Como é que se dá o reconhecimento de Jesus pelos discípulos?

. Que paralelismo entre este episódio e a Eucaristia?

c) Partilha. Cada um partilha a sua reflexão.

 

2. Deixamo-nos interpelar pelo texto (meditatio)

Neste segundo momento, a atenção centra-se na descoberta da mensagem do texto na nossa situação pessoal, comunitária, social.

a) Leitura. Lê-se, de novo, o texto, em voz alta, enquanto todos escutam silenciosamente.

b) Silêncio. Podemos perguntar:

. Como é que este texto ajuda a compreender melhor a Eucaristia?

. São as nossas celebrações da Eucaristia um verdadeiro encontro com Jesus ressuscitado?

 

3. A palavra exige uma resposta (oratio-actio)

Neste terceiro momento, respondemos à Palavra de Deus. Podemos fazê-lo através de uma oração pessoal, de um compromisso pessoal ou de ambas as coisas.

a) Leitura. Lê-se de novo o texto, enquanto todos escutam atentamente.

b) Silêncio. Cada um reza pessoalmente, procurando dizer a Deus, com as suas palavras, o que este episódio lhe sugeriu, bem como a forma como irá por em prática o que eventualmente perceba que deve mudar, na sua vida.

c) Partilhar. Cada um pode fazer, em voz alta, uma breve oração que seja o reflexo do que fez no tempo de silêncio ou partilhar o compromisso pessoal ou comunitário que irá assumir.

 

Conclusão

O encontro termina com uma oração comum ou um cântico conhecido por todos. Seria bom reler o texto da instituição da Eucaristia (Lc 22, 14-23) e pedir a Deus que nos ajude a viver com intensidade a celebração dominical.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Departamento Arquidiocesano para a Liturgia
Contactos
Morada

Rua S. Domingos, 94 B
4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Director

Pe. Rui Manuel Gomes Sousa

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui