Arquidiocese

Semeadores de Esperança: VII Tema
[+info]

Desejo subscrever a newsletter da Arquidiocese de Braga
DACS / Crux | 9 Jul 2018
Papa Francisco: "Deus não trabalha conforme as nossas expectativas, em vez disso surpreende-nos"
No fim do Ângelus, fez uma oração especial por aqueles que vivem no mar em situações de “trabalho indigno”.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

O Papa Francisco disse ontem que Deus surpreende sempre as pessoas com o modo como trabalha. Por essa razão, os crentes devem estar abertos ao modo de pensar e agir do Senhor, em vez de esperarem que Ele se conforme com as suas aspirações.

"Hoje o Senhor convida-nos a assumir uma atitude de escuta humilde e espera dócil, porque a graça de Deus frequentemente se apresenta de formas surpreendentes, que não se alinham às nossas expectativas", disse o Pontífice.

Bergoglio observou como podem nascer certos “preconceitos” que impedem os cristãos de aceitar a realidade sobre o trabalho de Deus. No entanto, “o Senhor não se conforma com preconceitos. Temos que nos forçar a abrir a mente e o coração para acolher a realidade divina que vem ao nosso encontro”, explicou.

Francisco conversou com os peregrinos reunidos na Praça de São Pedro para o seu discurso de Domingo que se concentrou na leitura do Evangelho do dia de Marcos. Na passagem, Jesus retornou à sua terra natal para fazer o ministério, mas foi incapaz de realizar as mesmas obras milagrosas que havia feito em outros lugares desde que as pessoas o conheciam e eram cépticas quanto à sua pregação e ministério.

No seu discurso, o Papa disse que o povo estava “escandalizado” com o que Jesus estava a fazer desde que o reconheceram como um deles. Perguntando como é possível os compatriotas de Jesus irem da maravilha à descrença, Bergoglio explicou que tal situação deveu-se ao facto de eles terem feito uma comparação entre as “origens humildes” de Jesus e as suas habilidades actuais para pregar e realizar milagres.

“Ele é um carpinteiro, não estudou, mas prega melhor que os escribas e faz milagres. E em vez de se abrir para a realidade, [o povo] está escandalizado”, disse, observando que para os habitantes de Nazaré, “Deus é grande demais para se rebaixar a falar com um homem tão simples!”.

Isto, continuou, é “o escândalo da encarnação: o evento chocante de um Deus feito carne, que pensa com uma mente humana, trabalha e age com mãos humanas, ama com um coração humano; um Deus que luta, come e dorme como um de nós”.

No entanto, ao tornar-se carne, Jesus “subverte todo o esquema humano: não são os discípulos que lavaram os pés do Senhor, mas foi o Senhor que lavou os pés dos discípulos”, disse o Papa, o que é “uma causa de escândalo e descrença em todas as épocas, até hoje”.

De improviso, o Papa apontou Santa Teresa de Calcutá – que canonizou em Setembro de 2016 – como um exemplo moderno de alguém simples que realizou grandes obras. Mesmo que fosse “uma irmã pequena”, Santa Teresa através da oração e simplicidade era capaz de “trabalhar maravilhas”, afirmou, acrescentando que “é um exemplo dos nossos dias”.

Ao concluir o Angelus, o Santo Padre disse que aprender a ter uma mente e um coração abertos à lógica de Deus acima de tudo significa ter fé.

“A falta de fé é um obstáculo para a graça de Deus”, explicou, adiantando que muitos católicos baptizados “vivem como se Cristo não existisse: repetem os sinais e actos de fé, mas não correspondem a uma real adesão à pessoa de Jesus e ao Evangelho”.

Todo o cristão, continuou, “é chamado a aprofundar essa pertença fundamental, tentando testemunhar com uma conduta coerente de vida, cujo leitmotif é a caridade”.

O Papa fez ainda um apelo aos patriarcas e representantes das igrejas católicas orientais e ortodoxas do Oriente Médio que estavam presentes no encontro ecuménico de 7 de Julho em Bari para orar pela paz na região.

Francisco disse que o evento foi “um sinal eloquente de unidade cristã” e agradeceu a todos os que participaram.

Informou ainda que o dia 8 de Julho marca o “Domingo do Mar”, que é dedicado a marinheiros e pescadores, e orou por eles e respectivas famílias, pelos capelães e voluntários. O Papa fez uma oração especial por aqueles que vivem no mar em situações de “trabalho indigno” e por todos os que estão empenhados em libertar o mar da poluição.

 

Artigo de Elise Harris (Catholic News Agency),
publicado em Crux no dia 8 de Julho de 2018.
Tradução e adaptação de DACS.

 

 
PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Papa Francisco  •  Ângelus  •  Expectativas  •  Caridade  •  Mar  •  Trabalho
Departamento de Comunicação
Contactos
Director

P. Paulo Alexandre Terroso Silva

Morada

Rua de S. Domingos, 94 B
4710-435 BRAGA

TEL

253 203 180

FAX

253 203 190