Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 27 Abr 2021
D. Kevin Farrell: A construção do mundo pós-Covid começa com a família
Com a Covid-19 ainda a devastar grande parte do mundo e as pessoas cada vez mais isoladas, agora é o momento ideal para “anunciar corajosamente o Evangelho da Família”, disse o cardeal americano Kevin Farrell durante um workshop online dedicado à família.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Liv Bruce / Unsplash

Num momento em que relações de todos os tipos estão a ser afectadas por confinamentos constantes devido à pandemia de Covid-19 e à tensão do isolamento prolongado, o responsável do Vaticano pelas questões familiares disse que a reconstrução desses laços sociais começa em casa.

Com a Covid-19 ainda a devastar grande parte do mundo e as pessoas cada vez mais isoladas, agora é o momento ideal para “anunciar corajosamente o Evangelho da Família”, disse o cardeal americano Kevin Farrell durante um workshop online dedicado à família.

O director do Dicastério para os Leigos, Família e Vida do Vaticano disse que a família “responde melhor a qualquer outra realidade social, à sede de diálogo, de relações profundas e de comunicação autêntica”, de que muitas pessoas estão sedentas devido aos confinamentos.

Mesmo a nível social, “a pandemia revelou muito claramente o papel indispensável da família”, disse D. Farrell, observando que são as famílias que sustentam as pessoas nos meses difíceis de isolamento. 

“É a partir da família, portanto, que precisamos de começar de novo, saindo desta crise de saúde para reconstruir a sociedade”, sublinhou.

O cardeal discursou num fórum virtual de dois dias sobre “Discernimento na Esfera Familiar”, organizado pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma e pelo Dicastério para os Leigos, Família e Vida como parte do ano mais amplo da “Família Amoris Laetitia”, com base na exortação do Papa Francisco de 2016.

A própria Amoris Laetitia é um produto do Sínodo dos Bispos sobre a Família 2014-2015 que, entre outras coisas, abordou questões delicadas como a necessidade de maior acolhimento de pessoas homossexuais e a recepção dos sacramentos pelos católicos que são divorciados e recasados ​​sem anulação.

O documento também sublinhou a bênção da vida familiar e os desafios que as famílias enfrentam no mundo moderno, incluindo os que são impostos pela tecnologia e pela tendência de interacção cada vez mais virtual, em vez de relações sociais físicas.

A preocupação com o aumento do individualismo e da solidão disparou durante a pandemia de coronavírus, com escolas, locais de trabalho e locais de reuniões sociais a serem fechados e digitalizados.

Durante a sessão de abertura de sexta-feira, D. Farrell apontou para as “mudanças sociais drásticas” que ocorreram durante a Covid-19, como regras de distanciamento social, suspensão de eventos públicos, aumento da tendência de trabalho inteligente e ensino à distância, bem como o simples medo de ser infectado.

“Tudo isto aumenta o risco de as pessoas se retraírem para dentro de si mesmas e se fecharem inconscientemente no individualismo”, disse, alertando que este se “pode tornar uma atitude mental e espiritual” quanto mais a pandemia persistir.

“É como se alguém começasse a dizer a si mesmo: «Não preciso dos outros. Na verdade, sinto-me melhor sem eles. Posso acostumar-me a viver sozinho»”, afirmou, apelidando esta atitude de “um engano” que se tornou óbvio após as primeiras semanas de confinamentos globais em 2020.

“Sem relacionamentos saudáveis ​​com outras pessoas, a nossa psicologia e o nosso espírito começam a lutar imediatamente”, explicou, sublinhando o que afirmou ser “uma necessidade vital de redescobrir e compreender" o valor dos relacionamentos humanos significativos, a troca de pontos de vista e ideias, a abertura do coração a outra pessoa e a cooperação no trabalho diário.

Apontando para a encíclica do Papa Francisco sobre a fraternidade humana, a Fratelli Tutti, D. Farrell disse que a fraternidade e a amizade social são “duas dimensões essenciais do ser humano e, portanto, da sociedade civil, das quais ninguém pode prescindir”.

“Ninguém se pode considerar uma ilha”, disse, apontando a pandemia como o momento perfeito para a celebração e fortalecimento da família que o ano da Amoris Laetitia espera oferecer.

“Perante a ameaça de um individualismo generalizado e perante a necessidade de uma renovação da amizade e do convívio social, podemos dizer que a família é, por excelência, o lugar de relações humanas autênticas”, afirmou.

As famílias, observou ainda, são o lugar onde relacionamentos interpessoais profundos e duradouros são desenvolvidos pela primeira vez, onde a comunicação acontece em todos os níveis, incluindo no nível emocional, e onde se aprende a cooperação para trabalhar em prol de objectivos comuns.

“É o lugar onde podemos estar juntos de forma livre e desinteressada, com o único interesse de estar na presença dos outros, estar na sua companhia, em comunhão e partilha da vida quotidiana”, adiantou.

Referindo-se ao tema do fórum de discernimento nas famílias, o cardeal disse que este é “um tópico muito actual”, com implicações práticas para as famílias hoje.

O discernimento, explicou, não é algo que cessa quando um casal decide casar. Em vez disso, continua por “todo o caminho da vida familiar com as suas escolhas quotidianas”, quer envolvam grandes mudanças, momentos de dificuldade ou crise, ou escolhas diárias normais, envolvendo o casal, os seus filhos e outros familiares.

“O discernimento, portanto, não é um episódio isolado relegado ao tempo do compromisso, mas é uma disposição espiritual permanente que deve ser ensinada às famílias e que pode ser sustentada para orientar com prudência e sabedoria as suas escolhas ao longo da vida”, sublinhou.

De igual modo, o padre jesuíta Nuno da Silva Gonçalves, reitor da Pontifícia Universidade Gregoriana, chamou as famílias de “lugar de perdão garantido”, dizendo que deveriam ser também lugares de discernimento garantido.

“O Papa Francisco quer que o discernimento esteja no centro da vida da Igreja e também deve estar no centro da família, a igreja doméstica. Por isso, considero a família o lugar para estar atento aos sinais dos tempos, o lugar da atenção aos que estão mais próximos de nós, o lugar para aprender com a inteligência do coração a linguagem de Deus”, afirmou.

O Pe. Nuno Gonçalves disse que não pode haver discernimento sem oração e destacou a necessidade dos casais de estabelecerem uma vida espiritual sólida e de fomentarem uma cultura de escuta e discernimento mútuos dentro de casa.

 

Artigo original de Elise Ann Allen, publicado no Crux, a 24 de Abril de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Família  •  Vaticano  •  Papa Francisco  •  Amoris Laetitia  •  Discernimento  •  Covid-19
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui