Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La croix | 5 Jan 2022
O abuso sexual na igreja contribuiu para a queda do catolicismo?
Sociólogos defendem que a secularização está mais ligada a mudanças estruturais, mudanças profundas na sociedade.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © PHILÉMON BARBIER/HANS LUCAS

Há três meses, o relatório Sauvé lançou uma luz dura sobre as violências sexuais na Igreja da França. Foram massivas entre 1950 e 1970, um período chave da secularização. Mas foi só depois da sua divulgação em grande escala nos últimos vinte anos que os escândalos ajudaram a acelerar o distanciamento dos franceses do catolicismo.

Durante os três anos que durou o seu trabalho na Comissão Independente de Abuso Sexual na Igreja (CIASE), Sylvette Toche nunca se sentiu pessoalmente preocupada com o doloroso assunto que a ocupava.

A Igreja Católica era uma realidade distante para esta antiga responsável pela auditoria dos Aeroportos de Paris, nomeada no fim de 2018 secretária-geral da comissão pelo seu presidente, Jean-Marc Sauvé. Excepto em casamentos ou funerais, a recém aposentada nunca frequentou igrejas. No entanto, diz que está “próxima dos valores de Cristo.

Mas, poucos dias antes da publicação – há apenas três meses – do relatório resultante dos trabalhos da comissão, revelando a extensão do fenómeno da pedocriminalidade na Igreja há setenta anos, Sylvette Toche teve um “flash”.

“Pensei no meu avô, que morreu prematuramente nos anos 1930. A sua mãe, muito religiosa, inscreveu-o em regime de internato marista, mas ele mandou tudo passear. Posteriormente, passou a vida a dizer pior do que enforcar padres e nunca transmitiu a fé às suas filhas, que também reproduziam o seu anticlericalismo”.

Pensamento fugaz: e se ele próprio tivesse sido abusado sexualmente por um homem religioso? A sua instabilidade emocional e tendências para o alcoolismo, em todo o caso, fazem eco das histórias ouvidas pela neta durante as inúmeras audiências de vítimas em que participou entre 2019 e 2021.

 

As vítimas, menos propensas a declarar uma filiação religiosa

Foi inconscientemente por mergulhar na memória da família que Sylvette Toche se sentiu obrigada a candidatar-se à CIASE? Ela é uma das dezenas de milhares de franceses cujos pais ou avós romperam repentinamente com a Igreja após contacto com um agressor das suas fileiras?

Esta é uma das lições do denso relatório Sauvé: se as pessoas agredidas dentro da Igreja receberam, muito logicamente, uma educação católica com mais frequência do que as outras (80% contra 59%), são muito menos numerosas a declarar hoje uma adesão ao catolicismo (25% contra 44% da população total). Para 56% delas, a religião não é muito importante, contra 36% de todos os franceses.

Segundo os autores do relatório, “esta discrepância reflecte certamente a perda de confiança na Igreja Católica e a perda de fé que pode ter resultado da violência sofrida”.

No entanto, essa perda de confiança preocupa muito mais franceses do que se poderia imaginar até ao passado 5 de Outubro. A CIASE estima que 330.000 pessoas foram vítimas de violência sexual na Igreja entre 1950 e 2020. A maioria delas, portanto, posteriormente afastou-se da instituição.

 

Secularização, uma "tendência muito forte"

Mas devemos acrescentar também as “vítimas secundárias” – a família e os parentes –, como as descreve o teólogo belga e especialista nestas questões Karlijn Demasure, ou as “vítimas terciárias” – os membros da Igreja, de forma mais alargada, afectados por esses crimes.

Um padre diocesano conta que depois das agressões contra a sua pequena irmã no final da década de 1960, os seus nove irmãos e irmãs, bem como os pais, deixaram todos a Igreja. Ele próprio só voltou mais tarde. E quantas das vítimas de crimes infantis não transmitiram a fé aos filhos, que por sua vez não a transmitiram aos deles – como poderia ter sido o caso da família de Sylvette Toche?

Surge então uma questão. Será que esses abusos contribuíram para o declínio do catolicismo e para a secularização da sociedade francesa? Sabemos que essa tendência experimentou uma aceleração decisiva entre os anos 1950 e 1970. No entanto, essas duas décadas, precisamente, concentraram mais de metade (55,9%) da violência cometida contra menores por clérigos, freiras e religiosos entre 1950 e 2020 (foram 121.000 menores agredidos durante estes vinte anos).

Essa hipótese é unanimemente rejeitada pelos sociólogos entrevistados. “Não estou a dizer que o abuso sexual não teve influência na secularização; mas está longe de ser a explicação principal”, diz Pierre Bréchon, professor emérito da Escola de Ciências da Universidade de Grenoble. Porque a secularização, uma “tendência muito forte”, não está tão ligada a acontecimentos pontuais, mas sim a mudanças estruturais, a mudanças profundas na sociedade. O investigador do laboratório Pacte cita em primeiro lugar o desenvolvimento económico e o aumento da educação.

 

Escândalos tornam-se um “factor de aceleração”

Além disto, mesmo que percebamos hoje que a pedocriminalidade tem sido uma realidade massiva na Igreja da França, os elevados números não são os mesmos que os da secularização, que afectou vários milhões de pessoas. Sem esquecer que um pesado silêncio há muito que cobre esses atos.

“Se eram conhecidos, era na forma de mexericos ou conversas particulares”, lembra o sociólogo Philippe Portier, da CIASE. “Não o suficiente para tornar o medo do abuso sexual uma razão para a desfiliação religiosa. Entre 1970 e 1990, falamos ainda menos sobre isto do que no período anterior!”.

No início dos anos 2000, no entanto, a barreira do silêncio foi quebrada, especialmente com a formação de associações de vítimas. Se a secularização está em andamento há quarenta ou mesmo cinquenta anos, a divulgação de escândalos em grande escala está a tornar-se um “factor acelerador”, acredita Philippe Portier. “Cresce a desconfiança em relação a uma instituição que parece não ter coerência. Isto resulta numa extensão das desfiliações, que faz parte do processo de secularização”.

Por exemplo, as doações para o culto mostraram uma queda notável em 2017-2018, anos marcados pela proliferação de revelações e o caso altamente mediático de Preynat-Barbarin. E, em Outubro passado, no seguimento das revelações do relatório Sauvé, uma investigação Ifop-La Croix revelou que dois terços dos católicos não confiam na Igreja para proteger os menores. No entanto, é difícil saber se essas reações “a quente” são apenas temporárias ou poderão ter efeitos duradouros.

 

Um trabalho de reparação “eminentemente missionário”

Mais do que a questão da pedocriminalidade, a questão mais geral do discurso da Igreja sobre a sexualidade desempenhou um papel no distanciamento da sociedade da instituição na segunda metade do século XX.

“Numa época em que as ciências humanas insistiam na importância da sexualidade, a Igreja Católica, com a sua injunção à castidade ou mesmo à abstinência, apareceu fora de tempo”, lembra Claude Dargent, professor de sociologia na Universidade Paris-VIII.

Em 1968, numa época em que o abuso sexual já era massivo, mas amplamente ignorado, a encíclica Humanae vitae não passou despercebida: a proibição da Igreja da pílula anticoncepcional foi mal interpretada por muitos franceses.

Além da necessidade urgente de fazer da Igreja um lar seguro para os mais vulneráveis, o trabalho de verdade empreendido pela CIASE poderia ajudar a “cristianizar” aquilo que ainda poderá ser? É nisso que quer acreditar um bispo do centro de França, que vê o relatório Sauvé como “o primeiro manual da evangelização de hoje” – diante daqueles que prometem conselhos para “dinamizar a sua paróquia!”.

“Este trabalho de reparação é eminentemente missionário”, acrescenta Arnaud Bouthéon, um dos fundadores do Congresso Missão. “Assim como o corpo da vítima se lembra do abuso sofrido, o corpo social também tem memória. Se trabalharmos para consertá-lo, poderemos encontrar o fogo ainda vivo sob as brasas”.

Artigo de Céline Hoyeau e Mélinée Le Priol, publicado no La Croix a 4 de Janeiro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Abusos Sexuais  •  França  •  Sauvé  •  Religião  •  Prevenção
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui