Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 4 Mar 2022
Redes sociais podem ajudar a promover a paz na Ucrânia, diz prelado do Vaticano
O Papa Francisco também se juntou ao coro de contribuidores nas redes sociais, lançando uma série de tweets diários em ucraniano e russo, contendo mensagens de paz e instando todos os lados a deporem as suas armas.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Unsplash

A invasão da Ucrânia pela Rússia na semana passada marca o primeiro grande confronto militar na era digital, onde imagens e vídeos partilhados em tempo real oferecem ao mundo uma visão totalmente nova sobre a realidade da guerra e a disseminação de desinformação.

Uma coisa que se destacou desde que os combates na Ucrânia começaram a 24 de Fevereiro não foi apenas a grande quantidade de conteúdo visual e escrito amplificado nas plataformas de redes sociais, mas como esse conteúdo está a ser usado.

Até agora, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky tem sido um dos principais protagonistas daquilo que tem sido apelidado de uma “guerra de redes sociais” paralela que se desenvolve online, enquanto as tropas russas tentam avançar ainda mais na Ucrânia.

As suas publicações frequentes influenciaram a opinião pública a favor da Ucrânia, garantindo o apoio militar necessário e sanções mais duras contra a Rússia, e também serviram de fonte de inspiração para os cidadãos ucranianos que lutam na linha da frente.

O Papa Francisco também se juntou ao coro de contribuidores nas redes sociais, lançando uma série de tweets diários em ucraniano e russo, contendo mensagens de paz e instando todos os lados a deporem as suas armas.

No seu primeiro tweet sobre o conflito a 25 de Fevereiro, o Papa enviou uma citação da sua encíclica Fratelli Tutti de 2020, dizendo: “toda a guerra deixa o nosso mundo pior do que era antes. A guerra é um fracasso da política e da humanidade, uma capitulação vergonhosa, uma derrota pungente diante das forças do mal”.

O Pontífice continuou a fazer tweets diários condenando a “insensatez diabólica da violência” e insistindo que “Deus está com os pacificadores, não com aqueles que usam a violência”.

O Dia de Oração e Jejum pela Paz na Ucrânia a 2 de Março, proposto por Francisco, que coincidiu com a Quarta-feira de Cinzas, foi amplamente divulgado nas redes sociais do Vaticano e do Papa.

É esse tipo de advocacia e o amplo alcance que as redes sociais têm que o bispo irlandês Paul Tighe diz que pode tornar as redes sociais uma ferramenta eficaz na promoção da causa da paz.

Secretário do Conselho para a Cultura do Vaticano e figura de destaque na reforma de comunicações do Papa instituída logo após tomar posse, Tighe disse que a cultura digital moderna está a mudar a maneira como a guerra e a sua oposição são travadas.

“O que as redes sociais fizeram foi trazer para muito perto de todos nós, os horrores da guerra”, disse, falando ao Crux. “Também servem de uma forma muito real para afastar o modo eufemístico como falamos sobre a guerra no passado”.

Com as redes sociais, os horrores que as pessoas enfrentam em conflitos violentos são subitamente mais reais e “o erro da violência torna-se muito claro”.

Tighe disse que a cultura digital e as redes sociais também permitiram que os indivíduos tivessem um nível de poder de expressão que não era possível no passado. De repente, “podem comentar, podem denunciar, podem declarar o que está a acontecer de formas que não são tão facilmente censuradas".

“Isto dá às pessoas um poder extraordinário de comunicação”, afirmou, insistindo que isto também requer níveis mais altos de responsabilidade pessoal e individual pelo que está a ser dito ou partilhado.

Referindo-se à infame reputação que as plataformas de redes sociais ganharam como super-disseminadoras de desinformação, Tighe disse que, especialmente em tempos de guerra, quando os factos às vezes são difíceis de apurar, é necessário verificar as informações antes de transmiti-las.

“Precisamos de estar muito atentos ao exercício da nossa própria inteligência em termos do que estamos a partilhar e como nos estamos a envolver”, explicou, citando o ditado: “a primeira baixa da guerra é a verdade”.

Tighe sublinhou a importância de se fazer um esforço genuíno para se ser o mais verdadeiro possível nas redes sociais, concentrando-se no que foi verificado e “não apenas partilhar o que é conveniente, não apenas partilhar o que apoia o meu argumento, mas recuar e tentar perguntar se isso seria útil.”

“Se está a trazer à tona os horrores da guerra, óptimo, mas talvez demonize um lado ou outro mais do que o necessário? Temos de ter cuidado com isso”, mesmo na guerra, observou.

Apontando para o efeito polarizador que as redes sociais muitas vezes podem ter no discurso público, Tighe disse que é natural em tempos de guerra e conflito que essa polarização seja exacerbada.

Isto, explicou, é onde acredita que as contas de redes sociais do Papa, e especificamente a sua conta no Twitter (@Pontifex), têm um papel importante a desempenhar.

Através das suas publicações, “o Papa está a trazer para casa o erro objectivo da guerra, que a violência é sempre um fracasso, a violência não pode ser a base para fazer a paz”, afirmou Tighe, dizendo que o Papa também está a chamar os seus seguidores e aqueles que vêem seus posts “a voltarem a um valor maior, o valor da paz e a resistência à ideia de guerra e armamento e violência”.

“Acho que ele também está a tentar criar uma espécie de ponte ao chamar as pessoas à oração, ao convidar as pessoas para rezarem juntas por aqueles que estão a sofrer, para orarem pela paz”, disse Tighe, expressando a sua crença de que o Papa está a tentar “deflagrar quase uma imaginação colectiva de uma forma melhor de resolver conflitos”.

O Papa Francisco, indicou, está a lembrar-nos “que os envolvidos neste conflito partilham basicamente a mesma fé cristã – não todos, mas muitos partilham a mesma fé cristã básica, e a tentar fazer disso um ponto de união e força, chamando as pessoas à oração pela paz”.

“A paz é tão importante como uma noção na tradição Judaico-Cristã”, disse, insistindo que as redes sociais podem desempenhar um papel fundamental para ajudarem o Papa a levar adiante o seu desejo de ser “um construtor de pontes e de tentar construir uma ponte para Paz."

Embora alguns tenham criticado o Papa por não mencionar publicamente a Rússia ou Vladimir Putin desde o início da guerra, Tighe disse que a neutralidade, especialmente nas redes sociais, pode ser uma ferramenta útil.

“Não estar alinhado, manter uma voz forte e independente que está constantemente a pedir paz e a chamar as pessoas à oração e jejum, e a envolver-se e a abrir um horizonte do reino da paz” é um papel essencial que o Papa está a tentar preencher, usando as redes sociais para isso, concluiu Tighe.

Artigo de Elise Ann Allen, publicado no Crux a 4 de Março de 2022. 

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Guerra  •  Paz  •  Ucrânia  •  Rússia  •  Redes Sociais  •  Papa Francisco  •  Oração
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui