Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Vida Nueva Digital | 8 Mar 2022
Cristina Inogés: “As mulheres têm voz, não temos de esperar que nos concedam autorização para falar”
A teóloga participou na XXXIV Conferência de Teologia do Instituto Teológico de Múrcia.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

A teóloga Cristina Inogés, que também faz parte da Comissão Metodológica do Sínodo da Sinodalidade, participou ontem na XXXIV Conferência de Teologia do Instituto Teológico de Múrcia, que se realizou sob o tema “Mulheres na Teologia”.

Durante o seu discurso, Inogés salientou que “neste momento, o futuro da Igreja está ligado, queira-se ou não, ao lugar que as mulheres nela ocupam”.

Por isso, encorajou a todos a “conseguir, não como uma lei obrigatória, mas como uma normalidade assumida desde o baptismo, que as mulheres na Igreja sejam vistas, tratadas e respeitadas em pé de igualdade com os homens, será a prova de fogo que se está a amadurecer na fé, no modo de assumir a mensagem de Cristo”.

Da mesma forma, Inogés reconheceu que “estão a ocorrer mudanças”, pois “hoje as mulheres entram nos conselhos episcopais, outras estão em cargos institucionais até agora reservados aos sacerdotes. São mudanças notórias, mas são poucas, lentas e sem projecção”.

 

O papel de Francisco

“Ainda é preciso fazer muito para superar a invisibilidade das mulheres”, afirmou.

“A oportunidade do momento presente é poder fazer jus à complexidade de mais de vinte séculos de Cristianismo, onde os preconceitos da misoginia convivem com o dinamismo da feminilidade cristã presente na história profunda que já começa na Sagrada Escritura”, acrescentou.

Sobre o papel do Papa Francisco, Inogés salientou: “não é de todo inocente que agora que nos movemos no mundo das imagens e que o que não se reflecte numa foto não existe, o Bispo de Roma, acima de tudo, muitas vezes elege as mulheres, nomeando-as para cargos relevantes, tirando-nos de uma invisibilidade onde somos tradicionalmente mantidas na Igreja”.

“Isso, embora possa não parecer à primeira vista”, continuou, “é uma interpretação das Escrituras numa chave totalmente evangélica. Porque Francisco, que não descobriu a pólvora com este comportamento, limita-se a agir com a normalidade de Jesus no Evangelho, está a revolucionar aquela estrutura tradicional (no pior sentido) acostumada ao facto de que a única presença de mulheres em algumas áreas do Vaticano era para limpar”.

No entanto, “há aqueles, homens e mulheres, que ainda hoje perguntam quem tem de fazer esta profunda teologia da mulher, sem serem capazes de olhar ao redor e ver os sinais que indicam o caminho”.

“Este aprofundamento na teologia da mulher, de que fala Francisco, propõe-se a incorporar novidades que nos permitam abrir novos caminhos. No entanto, alguns continuaram a reflectir a partir de uma direcção que é confirmar o lugar tradicional da mulher a partir da polémica questão do sacerdócio feminino”, explicou.

 

Mais de 80% dos fiéis

“Ao invés de reflectir à luz do Espírito”, destacou Inogés, “começaram a procurar mais argumentos para nos manter em papéis que eles mesmos nos atribuem e, pior ainda, fazendo muitos acreditar – por sorte, são cada vez menos – que não há mudança possível”.

Por outro lado, Inogés lembrou que “desde o início deste século”, as mulheres “são mais de 80% da Igreja. Colocando de forma mais gráfica, se não estivéssemos na Igreja, ela afundaria”.

No entanto, “isto não parece ser relevante para ninguém. E deveria ser. Não por causa das estatísticas simples que mostram a cada ano que estamos cada vez menos na Igreja em geral, mas porque esses 80% terão algo a dizer. Não dizem nada?”.

“Claro que dizemos”, afirmou, “mas não somos ouvidas porque, afinal, somos mulheres numa instituição que fez do poder religioso o centro da sua existência e não o Cristianismo, que é um modo de vida profundo, fraterno e igualitário e que Jesus de Nazaré mostrou”.

Da mesma forma, Inogés explicou que “a chave para a nossa palavra não ser ouvida, respeitada, valorizada, que mais tarde terá outras derivações” é que as mulheres são consideradas “como um perigo sexual”.

“Dizer que toda a nossa Igreja acredita que somos um perigo sexual seria bárbaro, mas uma boa parte da nossa Igreja «oficial» acredita nisso e age de acordo”, explicou.

“Se se derem conta, na nossa Igreja, no fundo dos problemas mais graves que existem neste momento, eles têm a ver com uma relação pervertida com a sexualidade e, aí, as mulheres estão no meio”.

 

Falar com o Povo de Deus

Além disso, sobre o sacerdócio feminino, destacou: “pensar que a nossa palavra seria mais levada em conta se pudéssemos ser ordenadas sacerdotes, é conceder ao sacerdócio ordenado um halo de poder e prestígio como se fosse o máximo da vida cristã”.

Isso, de facto, “é puro e simples clericalismo (que também é praticado pelos leigos) quando agora todos nós temos que trabalhar para apagar essas ideias que trouxeram tantos problemas”.

“Temos uma palavra e não nos cabe procurar os canais para que ela seja ouvida, nem esperar que a permissão seja concedida, como se de uma graça se tratasse, para poder falar”, acrescentou.

“O que todos nós temos que fazer é um trabalho de consciencialização e formação que nos permita descobrir a teologia baptismal de maneira profunda. Somente a partir dessa descoberta é que nos poderemos mover na direcção certa”.

Por fim, afirmou: “a religião fala de nós. O cristianismo fala connosco”. E provocou a seguinte reflexão: “Por que temos que esperar que alguém nos dê permissão? Não devemos esperar o respeito da Igreja oficial, o que seria desejável, mas podemos viver e reflectir sem esse respeito que a define. É preciso falar ao povo de Deus, só isso. Temos ao nosso alcance plataformas impensáveis ​​há alguns anos para que a nossa voz seja ouvida. Vamos aproveitar! Deus deu-nos uma voz; o baptismo torna-nos iguais... Realmente, temos que pensar sobre isto muito mais?”.

Artigo de Elena Magariños, publicado em Vida Nueva Digital a 7 de Março de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Mulheres  •  Participação  •  Igreja  •  Sínodo  •  Sinodalidade  •  Baptismo  •  Povo de Deus
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui