Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 19 Abr 2022
Autoridade, Participação e Mulheres
A colaboração autêntica na Igreja só é possível quando as mulheres são vistas como inteiras e necessárias, não como desafios ou ameaças à “pureza” do clero.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © MIGLIORATO/CPP/CIRIC

A história do Evangelho sobre a mulher apanhada no acto de adultério é bem conhecida, mas não é uma das minhas leituras favoritas.

O pensamento de um grupo de homens, líderes religiosos, a forçar uma mulher a ir para as ruas para uma humilhação pública e execução é chocante.

“Então, os doutores da Lei e os fariseus trouxeram-lhe certa mulher apanhada em adultério, colocaram-na no meio e disseram-lhe: «Mestre, esta mulher foi apanhada a pecar em flagrante adultério. Moisés, na Lei, mandou-nos matar à pedrada tais mulheres. E Tu que dizes?” (João 8: 3-5).

Eu sei que é importante ler as Escrituras no contexto, mas o contexto aqui é patriarcal e misógino, e embora a Igreja não arraste as mulheres para as ruas para vergonha pública e julgamento violento, as mulheres são, no entanto, envergonhadas e julgadas nos EUA simplesmente por serem mulheres.

Quando eu tinha vinte e poucos anos, trabalhei numa paróquia onde o pároco instruiu um padre relativamente recém-ordenado e a mim para colaborar num plano pastoral para acompanhar membros dos nossos ministérios de jovens e jovens adultos no seu discernimento vocacional.

Eu estava animada com esta oportunidade de liderar, e o padre e eu trabalhamos juntos criativamente. Também colaboramos com outros líderes da paróquia e, a certa altura, encontrei uma mulher que tinha uma posição de autoridade. Pareceu solidária e amigável quando eu apresentei o nosso plano.

Explicou como imaginava a sua participação nele, mas de repente mudou a conversa. “

“Então, está a trabalhar com o Padre?”, perguntou. “Deve ter cuidado. As pessoas podem começar rumores sobre si”. Perguntei-lhe o que queria dizer. “Você é jovem e bonita e está perto desse jovem padre. As pessoas podem dizer que o está a tentar”.

Ainda me lembro do meu choque. Não sabia como reagir e, naquele momento, senti-me desconfortável no meu corpo. O que ela estava realmente a fazer era expressar a sua desaprovação às jovens leigas que trabalhavam perto de um padre, mas obscurecendo-a com uma falsa preocupação com meu bem estar.

Na verdade, ela poderia muito bem ter-me colocado no meio da comunidade paroquial para ser objectificada, julgada, humilhada e desumanizada. Ela estava certa sobre uma coisa, no entanto: eu era jovem e a minha inexperiência na altura impediu-me de responder da forma como agora gostaria de ter respondido.

Em vez de questionar o seu próprio sexismo internalizado, respondi à sua ultrajante acusação indirecta, dizendo que nunca pensaria em fazer uma coisa dessas. Uma semana depois, o pastor disse-me que essa mulher havia falado com o jovem padre, meu colega, para alertá-lo contra o trabalho com mulheres jovens, e ele, por sua vez, pediu ao pastor que encerrasse a nossa colaboração. Aquele padre nunca mais falou comigo.

 

O futuro da Igreja depende do trabalho das mulheres

A leitura do Evangelho continua com Jesus a dizer aos Escribas e Fariseus: “Como insistissem em interrogá-lo, ergueu-se e disse-lhes: «Quem de vós estiver sem pecado atire-lhe a primeira pedra!... Ao ouvirem isto, foram saindo um a um, a começar pelos mais velhos, e ficou só Jesus e a mulher que estava no meio deles” (Jo 8: 7,9).

Jesus convida a mulher a ver que não resta ninguém para condená-la. Muitas vezes nas Escrituras vemos que os pecados dos homens que são líderes religiosos são pecados enraizados no abuso de poder, orgulho e avareza, mas nunca se ouve falar da sua objectificação das mulheres. Os autores dos Evangelhos não saberiam fazê-lo.

Portanto, embora os Escribas e Fariseus se reconhecessem pecadores, não tenho a certeza se eles entenderam o seu pecado contra a mulher, a sua incapacidade de vê-la como uma pessoa inteira e, da mesma forma, as mulheres na Igreja hoje continuam a ser objectificadas.

A “mulher adúltera” pode ter sobrevivido à altercação, mas a sua reputação seria manchada para sempre dentro da comunidade.

“Autoridade e Participação” é um dos dez temas seleccionados no processo do Sínodo sobre a Sinodalidade “destinado a destacar aspectos significativos da «sinodalidade vivida»” (Vademecum para o Sínodo sobre a sinodalidade).

Algumas das perguntas instigantes que acompanham este tema incluem: como é que a autoridade ou governação é exercida dentro da nossa igreja local? Como é que se coloca em prática o trabalho em equipa e a corresponsabilidade? Como é que são promovidos os ministros leigos e a responsabilidade dos leigos?

Com base na experiência que acabei de partilhar, gostaria de oferecer o seguinte à conversa sinodal. A minha missão de trabalhar com o jovem padre tinha potencial para ser um exemplo exemplar de colaboração entre jovens leigas e clérigos.

O projecto ofereceu-me uma parte da autoridade que só o clero possuía nesta comunidade, mas foi curto-circuitado por crenças sexistas arraigadas e por uma ameaça percebida que representava para uma pessoa na liderança.

A colaboração autêntica na Igreja só é possível quando as mulheres são vistas como inteiras e necessárias, não como desafios ou ameaças à “pureza” do clero.

No nosso clima nacional actual e numa época de declínio da confiança nas instituições, as mulheres jovens são menos propensas a tolerar o tipo de comportamento que experimentei porque a sua capacidade de reconhecer e nomear esses pecados, essas injustiças, é maior.

O futuro da Igreja depende do trabalho das mulheres e, portanto, deve haver uma opção preferencial pelo seu ministério.

A sua autoridade não pode depender simplesmente dos caprichos e da permissão dos homens. Na primeira Leitura que ouvimos de Isaías há alguns Domingos, o Senhor diz: “Pois vou realizar algo de novo, que já está a aparecer: não o notais? Vou abrir um caminho no deserto, e fazer correr rios na estepe” (Isaías 43:19).

Esta é a promessa Quaresmal e a minha esperança para o Sínodo.

Artigo de Claudia Avila Cosnahan, publicado no La Croix International a 6 de Abril de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Mulheres  •  Sínodo  •  Igreja  •  Participação  •  Missão  •  Leigas  •  Papa Francisco
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui