Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 22 Jun 2022
Diocese francesa enfrenta período turbulento com Seminário sob escrutínio
A suspensão das ordenações seguiu-se a uma visita de esclarecimento do arcebispo de Marselha Jean-Marc Aveline, recentemente nomeado cardeal, outra visita de especialistas e consultas com Dicastérios do Vaticano para bispos, religiosos, clérigos e leigos.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS photo/Vatican Media

A diocese francesa de Fréjus-Toulon enfrenta um período turbulento depois de o Vaticano ter suspendido as suas ordenações após relatos de que o bispo local foi muito receptivo a novos grupos eclesiais e muito negligente ao aceitar alguns candidatos ao sacerdócio.

A diocese da Riviera Francesa há anos que aceita novos movimentos e os seus seminaristas, incluindo do exterior, e até ordena candidatos sem formação em seminário. Alguns movimentos foram acusados ​​de abuso sexual ou liderança autoritária.

A suspensão seguiu-se a uma visita de esclarecimento do arcebispo de Marselha Jean-Marc Aveline, recentemente nomeado cardeal, outra visita de especialistas e consultas com Dicastérios do Vaticano para bispos, religiosos, clérigos e leigos.

A 2 de Junho, a diocese adiou as ordenações planeadas para o final de Junho de quatro padres candidatos e dois diáconos. O bispo de Fréjus-Toulon, Dominique Rey, atribuiu isso a “questões … sobre a reestruturação do seminário e a política de recepção da diocese”.

Numa reunião de bispos em Lyon na semana passada, D. Rey, o primeiro prelado da carismática Comunidade Emmanuel, teria dito a colegas que estava a cooperar com Roma.

As queixas sobre a diocese, conhecida pelo seu número excepcionalmente alto de vocações, multiplicaram-se nos últimos anos no meio de acusações de abuso em algumas comunidades, ordenações sem formação no seminário e rigor insuficiente na selecção de seminaristas.

Dos quatro homens a serem ordenados, dois são franciscanos tradicionalistas recém-chegados da Itália e um veio de um grupo de missa tridentina. O quarto, um latino-americano que iniciou os seus estudos com um bispo paraguaio que o Papa Francisco demitiu em 2014, é o único a frequentar o seminário local.

“Em cada ordenação, vemos candidatos que nunca vimos. Eles tornam-se padres sem que ninguém saiba onde foram formados”, disse um padre local ao jornal La Croix.

“Uma grande fraqueza da nossa diocese é que deixamos sem supervisão esses padres frágeis de comunidades disfuncionais. Pode ver-se o resultado”, disse outro clérigo.

A diocese, que há muito promove a “nova evangelização” cara ao saudoso Papa João Paulo II, tem cerca de 20 novas comunidades.

O director do seminário, o Pe. Benoît Moradei, explica que até um terço dos seus alunos eram tradicionalistas, os outros eram carismáticos e seminaristas médios, e todos rezavam e trabalhavam juntos.

A 10 de Junho, o bispo Rey retirou o estatuto de “Associação de Fiéis” ao Mosteiro de São Bento, liderado pelo monge australiano tradicionalista Alcuin Reid, e a sua permissão para um oratório. O bispo Rey suspendeu Reid de celebrar os sacramentos depois de o monge se recusar a dizer quem o tinha ordenado secretamente em Abril.

 

Artigo de Tom Heneghan, publicado no The Tablet a 22 de Junho.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
França  •  Fréjus-Toulon  •  Ordenações  •  Suspensão  •  Vocações  •  Seminário  •  Sacerdócio
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui