Arquidiocese

ANO PASTORAL
"Onde há amor, aí habita Deus"

[+info e Calendário]

 

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix | 6 Set 2022
Rezar graças ao smartphone: uma revolução virtual?
Longe de procurarem suplantar a missa, fazem parte de uma tradição de apropriação pela Igreja das novas tecnologias e seduzem um público de fiéis.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © MARIE ACCOMIATO/CIRIC

As aplicações de oração católica têm-se multiplicado em França há alguns anos, incentivados pelos confinamentos. Longe de procurarem suplantar a missa, fazem parte de uma tradição de apropriação pela Igreja das novas tecnologias e seduzem um público de fiéis.

Clique em “play”, feche os olhos e deixe-se rezar... Na Quaresma 2022, a aplicação móvel da revista Prions en Eglise anunciou a sua revisão completa após quinze anos de existência: de um simples suporte de textos litúrgicos, quer agora ser um auxílio à oração. Um ponto de viragem significativo no novo papel reivindicado pelos utilizadores de tecnologia católicos em França. Depois de vários anos, as aplicações de oração contam com áudio e interactividade para apoiarem os seus utilizadores diariamente.

“Procuramos as pessoas onde elas estão. No entanto, hoje, elas estão atrás dos seus ecrãs”, diz Julien Bischoff, director do Pray Today. Este discurso está longe de ser novo. Segundo Kelber Pereira Gonçalves, investigador de comunicação da Universidade de Tours, a sua aplicação às novas tecnologias também: “A verdadeira viragem ocorreu em 1963 com a promulgação por Paulo VI do decreto Inter mirifica”.

Assim, quando Bento XVI declara em 2009 que devemos “evangelizar o «continente digital»” ou quando, cinco anos depois, o Papa Francisco qualifica a Internet como um “dom de Deus”, é, segundo o investigador, sempre o mesmo discurso, actualizado de acordo com as inovações: “Devemos apropriar-nos das novas tecnologias de comunicação, consideradas maravilhas, enquanto antes a Igreja as via com um olhar temeroso e crítico”.

 

Avós ligados

Gostaria de aprender a rezar com textos ou trocar intenções de oração? Descobrir a espiritualidade inaciana ou cantar com a comunidade Emmanuel? Quer sejam dirigidas a todos os cristãos, ou dirigidas a uma comunidade específica, as aplicações, potenciadas pelos confinamentos, encontram o seu público: “dezenas de milhares de utilizadores por dia” reivindicados pela jesuíta Rezar a caminho e a carismática Rezar hoje, para “1,2 milhões de pessoas activas em doze meses” na Hozana, uma das pioneiras em França quando foi lançada em 2016.

Jovens trabalhadores sobrecarregados, que rezam durante o trajecto casa-trabalho ou lavam a louça com um comentário do Evangelho nos ouvidos? “Visávamos executivos activos com vidas agitadas”, confessa Augustin Jauffret, gestora de produto da YouPray. “Na verdade, 60% dos nossos utilizadores têm mais de 50 anos, muitos são avós”. Outros programadores de empresas da mesma área partilham essa observação: os utilizadores das aplicações não são significativamente mais jovens do que a média dos católicos praticantes, dos quais 43% tinham mais de 65 anos em 2010, segundo o Ifop.

 

Um público de praticantes

Na verdade, a maioria dos utilizadores parece habituada a rezar. Embora a aplicação Rezar hoje pretenda ser uma ferramenta de evangelização, dirigida ao “público mais distante da Igreja”, o seu director Julien Bischoff admite que “a maioria dos assinantes provavelmente já é praticante”. Na Rezar a caminho, uma queda notável na actividade aos Domingos indica que a aplicação é muitas vezes complementar à missa, para um público que deseja comungar.

Thomas Delenda, por iniciativa das “correntes de oração” da Hozana, sublinha, no entanto, que uma aplicação torna a oração e a experiência da comunidade cristã acessíveis a pessoas que não podem ir à missa. “Respondemos à solidão de uma senhora de 60 anos do campo, que não tem igreja por perto ou não pode subir as escadas”, resume. “E permitimos que rezem as pessoas que não entendem o interesse da missa ou que não podem comungar”, acrescenta Karem Bustica, editor-chefe da Prions en Eglise.

 

O novo com o antigo

No entanto, a revista defende-se de oferecer apenas um substituto para a Missa e insiste na dimensão educativa da sua aplicação, que permite enriquecer o conhecimento do Evangelho e aprofundar a fé. E para se voltar a ligar a formas esquecidas de rezar: “Muitas pessoas nunca foram formadas para rezar com textos. É o que lhes ensinamos”.

Às vezes, são os elementos mais tradicionais das aplicações que atraem os utilizadores. “O que funciona muito bem é a devoção popular”, observa Thomas Delenda. “As novenas de oração, os grandes santos... Coisas que existem desde os primórdios”.

Em Maio, a empresa de desenvolvimento adicionou uma pedra à sua “catedral digital” com a aplicação Rosario, versão 2.0 de uma prática milenar, o Rosário Vivo inspirado em Pauline Jaricot. “Transformamos objectos de piedade em evoluções tecnológicas”, comenta Kelber Pereira Gonçalves, impressionado por uma certa continuidade com o eRosary, um rosário ligado ao modelo do relógio inteligente, lançado pelo Vaticano em 2019. “Muda a forma, o conteúdo permanece”.

Artigo de Yasmine Guénard-Monin, publicado no La Croix a 30 de Agosto de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
França  •  Tecnologia  •  Oração  •  Apps  •  Eucaristia
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui