Arquidiocese

ANO PASTORAL
"Juntos no caminho de Páscoa"

[+info e Calendário]

 

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com America | 6 Set 2022
“Revi todas as respostas sinodais da minha diocese. Três elementos em falta podem apontar o caminho a seguir pela Igreja”
Para o Papa Francisco, tudo no caminho sinodal começa na oração.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS photo/Sarah Webb, CatholicPhilly.com

Sendo um dos coordenadores do nosso processo de consulta para o Sínodo sobre a Sinodalidade na Arquidiocese de Chicago, enfrentei a difícil tarefa de passar por uma pilha de papéis que representavam as vozes de muitas pessoas. Li e acabei por tentar sintetizar tudo o que tinha sido submetido. Durante o processo, ganhei uma compreensão mais profunda da sinodalidade, bem como uma noção das tarefas e desafios que enfrentamos na igreja.

O bispo Robert McElroy recentemente fez argumentou de forma persuasiva na revista America sobre a necessidade de levar o trabalho do sínodo para o futuro e evitar vê-lo como um processo encerrado. A minha experiência confirma a sua intuição. Enfrentamos uma imensa tarefa formativa que envolve ajudar a Igreja a reivindicar a sua realidade como um povo a caminho em conjunto, enraizado no Evangelho e inspirado a levar esse Evangelho ao mundo.

Uma maneira de entender a formação sinodal é observar, como fiz durante a leitura das impressões de toda a Arquidiocese, o que parecia estar em falta. Essa via negativa pode abrir um caminho positivo para entender as tarefas e os desafios que temos pela frente. Permitam-me partilhar três défices significativos que notei e que podem, de facto, apontar-nos para direcções positivas.

 

Um exercício de oração

Na nossa consulta, a maioria das pessoas não tinha compreendido de forma precisa ou completa o caminho da sinodalidade como o Papa Francisco o apresentou. Para muitos dos que responderam, a consulta do Sínodo foi para descobrir as coisas ou partilhar uma opinião pessoal sobre como as coisas deveriam ser, ou alguma forma de planeamento baseado em necessidades. A esperança do Santo Padre para o processo sinodal alinhava as coisas de maneira muito diferente.

Para o Papa Francisco, tudo no caminho sinodal começa na oração. Fora da sua oração, os crentes encontram-se. Nos seus encontros, são convocados a ouvir-se profundamente uns aos outros. E, finalmente, na sua escuta, eles descobrem até onde o Espírito Santo pode estar a levá-los. Os elementos essenciais são a oração, o encontro, a escuta e o discernimento. Este processo é um claro reflexo da forma como a igreja primitiva se reuniu e se organizou, como sabemos pelos Actos dos Apóstolos, e dos melhores momentos da vida da Igreja ao longo da sua história.

Mas, de muitas maneiras, o processo sinodal que está profundamente enraizado na nossa história também se tornou desconhecido para nós. A atracção gravitacional parece direccionada para descobrir as coisas, partilhar opiniões ou fazer um planeamento baseado em necessidades. Claramente, a tarefa formativa é ajudar a igreja a recuperar aquele espírito sinodal que marca os seus primeiros começos e seus melhores momentos.

 

A partir da Igreja, não para a Igreja

Ao estudar as respostas sinodais, também descobri outra anomalia que a futura formação sinodal irá precisar de resolver. Como as pessoas faziam os seus comentários com verdadeira sinceridade e, às vezes, com grande paixão, a sua forma de falar fez-me parar. A certa altura, percebi que muitos dos entrevistados estavam a falar mais para a Igreja do que a partir da Igreja. Por outras palavras, faziam comentários sobre a Igreja como se fosse um objecto exterior.

Isto está em nítido contraste com o que o Papa Francisco tem em mente. Somos os sujeitos, os actores e – nas suas palavras – os protagonistas deste processo. Por outras palavras, nós somos a igreja. E num contexto sinodal, então, falamos a partir da Igreja. Tudo isto significa muito mais do que discutir sobre preposições. De uma perspectiva formativa, envolve cultivar cuidadosamente um sentido internalizado de identidade com a Igreja.

 

Olhar para fora

O terceiro e último défice que encontrei nas respostas foi algo que o Papa Francisco chamou de “introversão eclesial”; um apego pegajoso à vida interna da Igreja e à sua organização estrutural-institucional. O principal objectivo da sinodalidade é estarmos “juntos no caminho” na missão, saindo de nós mesmos. Tantos comentários nas respostas falavam de mudanças recomendadas na vida da Igreja ou, ainda mais precisamente, na vida na Igreja. A sensação de missão externa era geralmente fraca. A formação para a missão, um sentido sempre expansivo do nosso propósito no mundo, precisa de tomar conta das nossas comunidades de fé.

Depois de considerar essas três direcções para a formação sinodal – recuperando a verdadeira dinâmica da sinodalidade, reivindicando o nosso arbítrio na igreja e revitalizando um sentido de missão externa – também percebi que essas mesmas direcções se aplicam da sua própria forma ao avivamento eucarístico que esperamos promover na nossa nação.

O movimento de oração-encontro-escuta-discernimento acontece quando nos encontramos com o Senhor e uns com os outros na Palavra e no Sacramento. Esse sentido de sermos sujeitos e agentes activos da Igreja é a chave para a participação plena e activa nos mistérios sacramentais. A consciência da missão no contexto da liturgia é o chamamento perene para integrar o culto e a vida além do templo. A formação sinodal, portanto, é formação eucarística; embora seja necessária mais reflexão para elaborar esta abordagem integrada.

Então, onde é que tudo isto nos leva? Depois de estudar as respostas sinodais e reflectir sobre elas, posso ver mais claramente a necessidade que o povo de Deus tem da formação sinodal. Reconheço que a formação sinodal também se pode repercutir num reavivamento eucarístico muito esperado. Tudo isto é claro. O que não é tão claro é exactamente como promover a formação sinodal.

Claramente, não pode ser reduzida a exortações do púlpito, programas pré-feitos ou uma enorme quantidade de materiais escritos. Se este tipo de formação acontecer, suspeito que será através de um fermento inspirado no Evangelho. Algumas pessoas irão entender o objectivo da sinodalidade e como ela se desenrola autenticamente. Podem ser poucos, mas já estão entre nós. Precisam de encorajamento para se apoiarem uns aos outros e aprofundarem o seu sentido de Igreja. Num certo ponto, atingirão uma massa crítica e ser capazes de estender a sua energia e convicção aos outros.

De facto, esta formação crescente e em desenvolvimento reproduz os primórdios da Igreja conforme narrado nos Actos dos Apóstolos. Esse livro sagrado da Sagrada Escritura diz-nos que isso pode acontecer hoje, porque já aconteceu antes. Isso é, de facto, uma boa notícia. Também sugere que a promessa do Concílio Vaticano II para um novo Pentecostes pode estar ao alcance.

Artigo do Pe. Louis J. Cameli, publicado em America a 18 de Agosto de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sínodo  •  Sinodalidade  •  Oração  •  Sínteses  •  Escuta  •  EUA
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui