Toma e Lê
X DOMINGO do TEMPO COMUM
Arquidiocese

ANO PASTORAL
"Juntos no caminho de Páscoa"

[+info e Calendário]

 

Desejo subscrever a newsletter do Arciprestado de Guimarães e Vizela
Isabel Santos, asm | 2 Fev 2024
Vida Consagrada... um "desperdício"?
Dia Mundial da Vida Consagrada
PARTILHAR IMPRIMIR
  © lina trochez em unsplash

Nunca houve um momento histórico-eclesial como o que vivemos hoje, um momento mudanças, avanços tecnológicos, possibilidades, de desafios e de tanta criatividade. No entanto, quando confrontados com o declínio do número daqueles que procuram seguir Cristo na sua Igreja e dos que se consagram a Ele para se dedicarem de coração indiviso (Vita Consecrata 1), somos, por vezes, acometidos pela pergunta: a vida consagrada ainda é sinal? Ainda faz sentido na vida eclesial e no mundo?

Consagração pelo Batismo

Todos os que fazem parte da Igreja Católica vivem uma mesma consagração universal, isto é, pelo batismo todos somos consagrados! A vocação ao seguimento de Jesus Cristo, segundo o espírito do Evangelho, e à perfeição na santidade (cf. Lumen Gentium 31-32) está enraizada no batismo, ao qual todos são chamados. Resta-nos perguntar: Qual a diferença e o sentido do estado religioso que tantos ainda assumem, professando os conselhos evangélicos da castidade, pobreza e obediência?

Dom gratuito de Deus

Em entrevista à revista Stella, publicada em outubro de 1942, Manuel Pedro Marto, pai dos Santos Francisco e Jacinta Marto, contava um episódio que acontecera momentos depois da aparição da Virgem Maria no mês de agosto de 1917, no lugar dos Valinhos e que pode ilustrar:

Nisto, vejo a Jacinta, na estrada, aos pulos, muito satisfeita, com um ramo de carrasqueira na mão e, ao mesmo tempo que ela entra em casa, chega-me assim um perfume tão fino como eu nunca cheirei na minha vida: “Ó Jacinta, que é o que trazes aí?" lhe perguntei. É um ramo de carrasqueira dos Valinhos, onde Nossa Senhora apareceu, ainda há bocado!” “Ora deixa cá ver!” Peguei no ramo, cheirei-o, mas nada: o perfume tinha desaparecido” Pus-me então a lembrar-me daquelas palavras: - “Sempre a sua Jacinta tem uma virtude qualquer”...

A experiência do sublime e misterioso perfume, que se fez sentir naquele 19 de agosto de 1917, levou o pai da pequenita Jacinta a considerar a virtude desta. Mas, na verdade,  aquele raminho exalava a fragância não da virtude da pequena Jacinta, mas da presença de Deus através da Senhora mais brilhante do que o Sol, a virtude e santidade daquela que é chamada pelo Anjo: cheia de Graça! (Lc 1,28).

Assim também o chamamento que Deus dirige a alguns tem a sua beleza e fundamento no amor gratuito de Deus que escolhe aqueles que quer, não em virtude de aptidões naturais, de competências adquiridas, da conquista pessoal da perfeição moral ou dependente de gostos individuais. A Vida Consagrada é dom. Dom de Deus que não sabe senão amar incondicionalmente — sem olhar ao mérito pessoal — em gratuidade e fidelidade. Os consagrados tornam visível na Igreja e no mundo a Misericórdia de Deus e a universalidade da salvação, porque ama a todos, mesmo sendo ainda pecadores (cf. Rm 5,8).

A Vida Consagrada na Igreja

Como dom gratuito e incondicional de Deus, a vocação à vida religiosa deve ser acolhida pelo próprio na confiança, humildade e alegria de um sim. Por isso, à semelhança do misterioso perfume que bailava nas mãos da Santa Jacinta, essa vocação é um tesouro que não se pode agarrar, que não se possui, mas que deve ser colocado a render (Mt 24,14-30) na permanente e generosa entrega de si.

Em íntima relação com todos os estados de vida, a vida consagrada há-de ser igualmente acolhida e amada pela Igreja, pois ela é dom feito à Igreja: nasce na Igreja, cresce na Igreja, está totalmente orientada para a Igreja (Papa Francisco). Plantados na mesma terra boa que é Cristo e participantes da sua Vida, os religiosos, qual encarnação do Evangelho no espírito das bem-aventuranças, serão sempre a força que atrai todos os membros da Igreja à santidade.

Alegria

Os religiosos são, sobretudo, pessoas de encontro com Jesus, pessoas que no encontro com Ele não esperam receber nada mais do que a sua vida. À semelhança da Santa Jacinta Marto que se deixou deslumbrar pela Luz Pascal irradiada pela Virgem Maria, e que, por isso, aos pulos não conseguia conter a alegria, os consagrados são aqueles que vivem animados por Deus, repletos da Sua presença e que contagiam a todos com a sua alegria (D. José Cordeiro) que grita ao mundo: Jesus está Vivo e quer-te vivo! (Papa Francisco)

Por fim, não há nada que um consagrado faça que um leigo não possa fazer (cf. Lumen Gentium 30-31), porque o sentido do estado religioso, nas suas diversas formas, não é dar coisas, o seu trabalho e oração, mas é, sim, o dar-se por inteiro. A vida consagrada não consiste apenas em seguir a Cristo de todo o coração, mas trata-se de uma configuração e adesão total e plena a Ele, no abandono de tudo e de si mesmo (cf. Mt 19,27). Não é apenas viver o Evangelho, mas é ser Evangelho para os dias de hoje.

Enche-nos de esperança ver quantos jovens ainda se deixam interpelar pela voz de Deus que chama e Lhe confiam o seu “sim”, juntando-se à família daqueles que através do seu “ser” e “estar” no mundo, pela profissão da pobreza, castidade e obediência, renunciam ao apego das coisas, ao apego dos outros e ao apego de si mesmos, em ordem a uma adesão absoluta ao amor absoluto de Deus (cf. Alexandre Freire Duarte).

 

Irmã Isabel Santos, Aliança de Santa Maria (ASM)

 

 
PARTILHAR IMPRIMIR
Arciprestado de Guimarães e Vizela
Contactos