Arquidiocese

Beato Bartolomeu dos Mártires já é Santo
[+info]

Desejo subscrever a newsletter da Arquidiocese de Braga
6 Jul 2015
Homilia de Elevação do Bom Jesus a Basílica Menor
Durante a eucaristia de elevação do Santuário do Bom Jesus a Basílica Menor, D. Jorge Ortiga apontou o Bom Jesus como um “exemplo da acção litúrgica, da espiritualidade e do acolhimento ao milhão de peregrinos e turistas”.
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Bom Jesus, Cátedra da Misericórdia

A Arquidiocese de Braga teve, este ano, a imensa alegria de lhe ser concedida a elevação de dois dos seus santuários a basílicas menores. O primeiro santuário, agora basílica, foi o de S. Bento da Porta Aberta. Em pleno ano jubilar, no qual comemoramos 400 anos do templo dedicado a S. Bento, pareceu-nos importante dar este passo. É sabido que, logo após o Santuário de Fátima, S. Bento é o centro de espiritualidade mais visitado em Portugal. Com a elevação a basílica cresce a responsabilidade de fazer de S. Bento um espaço ainda mais acolhedor, mais denso espiritualmente e inspirador de um estilo de vida cristão. Foi por esta razão que, em Março passado, falei de S. Bento como a Cátedra do Acolhimento.

Agora, razões semelhantes, levaram a Arquidiocese de Braga a formular o pedido de elevação do Santuário do Bom Jesus do Monte a basílica menor, título já concedido a 19 de Abril deste ano. A carta que acompanha o decreto sublinha uma maior ligação ao Santo Padre e a “exemplaridade” do Santuário como “centro de acção litúrgica e pastoral na diocese”. É a esta razão. Fazer da Basílica do Bom Jesus um exemplo da acção litúrgica, da espiritualidade e do acolhimento ao milhão de peregrinos e turistas que anualmente acorrem a esta estância. 

Mas o Bom Jesus contém algo ainda mais profundo. A nova basílica, como parte integrante de um património de majestosa eloquência catequética, é, e deverá tornar-se ainda mais, um livro aberto da bondade de Jesus, o Bom Jesus. O ritmo frenético do dia-a-dia faz com que, amiúde, as pessoas não tenham tempo para pensar e, por vezes, tomem opções erradas. Outras vezes, não conseguem assimilar e discernir a sua vida com os olhos de Deus. E então, como consequência, criam-se imagens equivocadas de Deus. Ele está longe, não atende aos pedidos, Ele é severo, ouvimos tantas vezes da boca das pessoas. São imagens equivocadas, distorcidas e, em certa medida, perigosas. Considero urgente, portanto, que todos trabalhemos para que o Bom Jesus seja uma Cátedra da Misericórdia.

Atendendo a que este ano não temos ordenações, dia em que habitualmente anuncio a temática do Ano Pastoral, quero comunicar que 2015-2016 será o Ano da Fé Anunciada, um Ano Missionário. Este ano quisemos que a fé fosse vivida no quotidiano, segundo o itinerário da caridade e das obras de misericórdia. No próximo ano, queremos reafirmar a consciência de uma Igreja de discípulos missionários, onde, por meio de diversas tarefas, próprias de cada um, anunciamos Deus. Atendendo a que iniciamos com o Papa Francisco, desde o primeiro Domingo do Advento, um Ano da Misericórdia, o Santuário do Bom Jesus deve ser uma referência desta interpretação de Deus e um apelo a viver um amor misericordioso para com todos.

Deus é rico em misericórdia, está sempre pronto a perdoar-nos, a aceitar-nos tal qual nós somos. Sem artifícios, sem cosméticas, sem enganos. Apenas nós e Ele, de olhos fitos, numa compreensão e aceitação mútuas. A misericórdia de Deus, e do Seu filho, é deverá ser o norte e o sentido das nossas escolhas pessoais. Trata-se, como não poderia deixar de ser, de uma profunda mudança de mentalidade: passar de um Deus longínquo, castigador, a exigir sacrifícios, para uma proclamação da Sua beleza num ambiente igualmente belo, como é o sacro monte do Bom Jesus. 

O Evangelho que escutámos, há breves momentos, é um hino à misericórdia de Deus. Diz-nos o texto que Jesus dirigiu-se à Sua terra, ensinou na sinagoga e causou admiração. Quem é este homem que fala com autoridade e faz prodigiosos milagres? É o espelho do Amor do Pai em mil expressões de ternura, de compaixão e de perdão. O Evangelho prossegue dizendo que Jesus “não podia fazer qualquer milagre, apenas curou”. Milagre significa obra poderosa ou força de Deus, ou seja, um evento extraordinário que tem origem em Deus e que, por isso mesmo, nos deve maravilhar. Quando, todavia, nos fechamos em certezas fundamentalistas tornamo-nos incapazes de nos espantarmos e de nos deixarmos surpreender. Assim acontece tantas vezes nos nossos dias. Os nossos preconceitos impedem-nos de experimentar a misericórdia de Deus e de nos maravilharmos da Sua acção prodigiosa que continua a produzir efeitos em todos os acontecimentos da vida e, de um modo particular, na natureza.

Outra palavra fundamental neste Evangelho é curar. No grego, a palavra utilizada está relacionada com terapia. Num certo neologismo, poderíamos dizer que Jesus terapeutizou alguns doentes, impondo-lhes as mãos. A terapêutica, como sabemos, é um acto que envolve elementos naturais no processo de cura. Não poderá também ser o Bom Jesus um espaço terapêutico e de cura interior? A natureza oferece-nos o contacto directo com o Criador e com as maravilhas da Sua criação; o escadório e as fontes dos sentidos um itinerário de purificação espiritual; a basílica é uma casa aberta aos momentos de festa, à força da eucaristia e também à experiência do perdão. Necessitamos de readquirir ou conquistar um equilíbrio e tranquilidade interior com a nossa consciência, uma consciência solidária com os outros, uma reconciliação com todos os seres vivos e uma vivência espiritual com Deus (cf. Laudato Si’, 210).

A maior cura que podemos ter é a libertação interior dos nossos receios e dramas. A libertação do peso das imagens erradas de Deus. A libertação dos nossos fantasmas. Subir o escadório do Bom Jesus e atravessar a porta desta nova basílica deverá, por isso, ser para muitos a porta da misericórdia divina e, em virtude desta, a vontade de uma vida mais humana, reconciliada com Deus, com o Homem e com a natureza.

Que esta elevação à dignidade de basílica nos conceda o dom da misericórdia e a responsabilidade de a semear no mundo.


PARTILHAR IMPRIMIR
Documentos para Download
Departamento para a Comunicação Social
Contactos
Director

P. Paulo Alexandre Terroso Silva

Morada

Rua de S. Domingos, 94 B
4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190