Arquidiocese

Ano Pastoral 2020+2021

"Uma Igreja sinodal e samaritana"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter da Arquidiocese de Braga
MTCE | 4 Mai 2021
Na crise, uma Europa chamada a ser ousada
Comunicado do Movimento dos Trabalhadores Cristãos na Europa (MTCE), por ocasião do Dia da Europa 2021.
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Há mais de um ano que o nosso planeta enfrenta uma crise sanitária e social que nos afeta a todos. Contudo, nem todos os grupos sociais estão a sofrer as consequências da mesma forma.

A classes trabalhadora e os mais pobres são os mais expostos aos riscos de contágio. A taxa de mortalidade nestas categorias sociais é muito mais elevada do que nas categorias mais abastadas.

 

As classes trabalhadoras, as mais afetadas

As condições de trabalho têm-se tornado cada vez mais difíceis e as medidas preventivas necessárias levaram a um aumento significativo da carga de trabalho para alguns trabalhadores que não podem desempenhar as suas tarefas à distância, em regime de teletrabalho. Para outros, o teletrabalho tem sido uma medida imposta que pode levar a uma grande pressão, isolamento e maior exploração.

Para muitos tornou impossível continuar a trabalhar: "Uma das minhas filhas foi colocada a trabalhar em horário reduzido porque não há computadores suficientes para o teletrabalho na sua empresa. Tiraram 5 dias de férias e outros dias de folga. Quando se trabalha numa oficina, trabalha-se em horário reduzido com um salário de 80%".

Os mais precários, os desempregados e os trabalhadores temporários são particularmente afetados por esta crise. Foram os primeiros a ficar sem contrato, sem esperança de lhes ser oferecido um novo durante muito tempo, com todas as consequências que isso implica. Eis o exemplo de N., um jovem pai divorciado: "No Natal, fiquei sem brinquedos para os meus dois filhos, eles apoiam-me e ajudam-me a sobreviver. Este Inverno comprei quase 3 m3 de lenha, guardei-a para quando os meus filhos chegaram. Eu mantenho o meu casaco vestido, mesmo na cama". Muitos trabalhadores deficientes também foram afetados pelo encerramento das suas instalações.

Por toda a Europa, os Estados adotaram medidas sociais para enfrentar a crise, mas estas medidas foram temporárias em muitos casos, e são sobretudo os trabalhadores em melhores condições que delas beneficiaram. No final, enquanto o desemprego continua a aumentar, quase 6 em cada 10 pessoas desempregadas da Europa não recebem qualquer apoio ou subsídio.

A par disto, alguns direitos sociais estão a ser postos em causa em vários países. Os sistemas de inspeção das condições de trabalho também ficaram enfraquecidos: "Os inspetores do trabalho foram impedidos pelos seus superiores de fazer o seu trabalho corretamente: sob pressão de certas empresas e instituições públicas, um inspetor foi suspenso e depois automaticamente transferido para outro departamento por ter iniciado um procedimento para forçar uma empresa de ajuda ao domicílio a fornecer máscaras aos seus empregados".

Esta situação está a ocorrer ao mesmo tempo que a vida democrática foi posta em espera. Como nos lembra o filósofo Bruno Latour, alguns vêm nesta crise "uma oportunidade maravilhosa de romper ainda mais radicalmente com os restantes obstáculos para escapar do mundo". A oportunidade é especialmente boa para desmantelar o que resta do Estado Social, da rede de segurança para os mais pobres e do que resta dos regulamentos contra a poluição do ar".

 

Um momento histórico de mudança

É certamente necessário lembrar que foram precisamente as decisões políticas que tornaram a economia europeia dependente e enfraqueceram todo o nosso sistema de saúde e de apoio social. A capacidade dos hospitais tem sido afetada por decisões orçamentais com base unicamente na lógica de redução da despesa pública, contrariamente às necessidades reais da população.

Ao entrarmos no tempo de Pentecostes, devemos ter presente esta mensagem de audácia expressa no Evangelho, somos desafiados por esta imagem dos discípulos, confinados no medo, trancados na sua casa e fechados em si mesmos até que o Espírito os impele a abrir-se ao mundo, a assumir o risco da viagem e do encontro.

Foi no nosso continente, na Europa que primeiro se estabeleceram os sistemas de proteção social mais avançados. Ainda há muito a fazer, e esta crise sanitária e social mostra-nos isso. Esta crise é um momento histórico, uma oportunidade para grandes mudanças que poderiam ser baseadas na tributação das maiores fortunas que enriqueceram apesar da situação. Hoje, a Europa é chamada a construir novamente: serviços públicos fortes, uma política de proteção social inovadora e uma verdadeira solidariedade entre povos e Estados.

Nesta crise, a Europa não deve fechar-se sobre si mesma, mas empenhar-se na necessária solidariedade internacional para assegurar que todos no mundo tenham acesso às vacinas. Isto requer uma política para o bem comum que vá para além dos interesses privados das grandes empresas farmacêuticas.

Finalmente, o mundo sindical e associativo, incluindo os nossos movimentos, deve ser capaz de participar na renovação do dinamismo da sociedade civil. Somos todos chamados a ser atores nesta Europa dos cidadãos que ainda está por construir.


Movimento Trabalhadores Cristãos na Europa,
3 de Maio de 2021

 

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Comunicado  •  Trabalhadores  •  Cristãos  •  Europa
Departamento para a Comunicação Social
Contactos
Director

P. Paulo Alexandre Terroso Silva

Morada

Rua de S. Domingos, 94 B
4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190