Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter da Arquidiocese de Braga
24 Set 2022
A quem serve a tua vida?
Homilia na Abertura Regional do Ano Escutista
PARTILHAR IMPRIMIR
 

1. Ser próximo na caridade

Um voluntário, em África, contou uma experiência que vivenciou na altura da distribuição de comida. A situação era caótica. Ele via que a comida estava a acabar e que as pessoas estavam desesperadas com o medo de morrer à fome. A última pessoa da fila era uma rapariga de nove anos. Quando chegou a sua vez, só restava uma banana. Entregaram-lha. Ela descascou a banana, deu metade ao irmão mais novo e a outra metade à mais nova. Depois, pôs-se a lamber a casca de banana. O voluntário confessou que, naquele preciso momento, começou a acreditar em Deus.

Jesus descreve uma situação inquietante. Um homem rico, sem nome, e Lázaro, um mendigo, vivem perto um do outro, mas estão separados pelo abismo da indiferença. O homem rico está vestido de púrpura e linho fino, o corpo de Lázaro está coberto de feridas. O rico vive encerrado em si próprio, banqueteando-se de si próprio, empanturrado de si e daquilo que possui. Lázaro estava lá, à sua porta, mas não há espaço para a atenção no coração do rico. Está lá fora. Esse é o problema. Tem-no à sua frente, mas não o vê. Lázaro está ali mesmo, faminto e abandonado, mas ele não consegue atravessar a porta para cuidar de Lázaro.

Aquele homem rico é incapaz de abrir a porta da sua casa e se deixar afetar pela situação miserável de Lázaro. Não tinha visto que ele necessitava de migalhas para saciar a sua fome. Ora, é esse não ver que cria o abismo da indiferença.

A riqueza não é um mal, e a pobreza não é uma virtude, mas não é aceitável que não procuremos quebrar a indiferença que não nos aproxima e, mais grave ainda, que não superemos a insensibilidade diante do sofrimento. Aliás, quando refletimos sobre o nosso século, tal como advertia Martin Luther King, o mais grave parece não ser as ações dos maus, mas o escandaloso silêncio dos bons.

A mensagem de Jesus é clara: não à obsessão pela segurança, mas sim ao esforço arriscado e exigente para viver de maneira humana e humanizadora. É uma tentação vivermos sempre a evitar problemas, procurando tranquilidade, não nos comprometendo com nada que nos possa complicar a vida, limitando-nos a defender o nosso bem-estarzinho.

2. 100 anos de vida repartida

Hoje, reunidos no Núcleo de Braga, local que, a 27 de maio de 1923, viu nascer o Corpo de Scouts Católicos, através do Arcebispo D. Manuel Vieira de Matos e o Dr. Avelino Gonçalves, quero recordar-vos que nós só somos o que partilhamos. Não há maior riqueza que possamos receber do que a de termos aprendido a darmo-nos. Aliás, como aquela irmã que repartiu o único alimento existente – uma banana – com os irmãos e, não lhe restando nada mais, se põe a lamber a casca de banana.

A nossa vida é chamada a ser repartida. O mundo precisa que nós façamos da nossa vida dom. A quem serve a nossa vida? A quem servem os nossos talentos? Por quem dás a tua vida? O sonho de Jesus é que a nossa vida não se esgote só nas nossas necessidades e confortos.

Nós não nos salvamos sozinhos, procurando unicamente o nosso bem-estar, construindo muros de indiferença. Nas palavras do Papa Francisco, no seu programático discurso em Lampedusa, estamos todos afetados pela globalização da indiferença, que torna invisíveis tantos irmãos que estão à distância da nossa aproximação, mas de quem nós não nos fazemos próximos! Esta época em tornou-nos vizinhos, mas não nos fez irmãos!

Mantemo-nos alerta para amar como Jesus amou. Nós somos discípulos deste amor. Amar, ao jeito de Cristo, não é fazer apenas isto ou aquilo. É fazer tudo. Nós vivemos demasiado à defesa, a fazer contas do que tu me deste e do que eu te dou, vivendo excessivamente limitados à retribuição, amando somente aqueles que nos amam. E, deste modo, submersos nos nossos cálculos, perdemos a vida.

3. Discípulos de Jesus e escuteiros audazes

O Escuta orgulha-se da sua Fé e por ela orienta toda a sua vida. É um dos vossos comprometedores princípios. O que expressa verdadeiramente a fé são as ações que praticamos no nosso quotidiano. E como testemunhamos a nossa fé? No que somos e naquilo que vivemos. Nos nossos gestos, nos nossos desejos, nos nossos projetos nós testemunhamos Cristo e, assim, o nosso amor transformar-se-á em serviço.

A um passo do Centenário do CNE e das JMJ, com São Nuno de Santa Maria, vosso Patrono, com o venerável Bernardo de Vasconcelos, Patrono dos Jovens da nossa Arquidiocese, e com o vosso envolvimento na comunidade, desejo que sejam fonte de inspiração pela forma como, hoje, criativamente, reinventais o amor cristão.

E, se assim for, como discípulos de Jesus e escuteiros audazes, podemos dizer com Pedro Casaldáliga: no final do meu caminho apenas me dirão: Amaste? E eu, sem dizer nada, abrirei as minhas mãos vazias e o coração cheio de nomes.

† José Cordeiro, Arcebispo Primaz

PARTILHAR IMPRIMIR
Documentos para Download
Departamento Arquidiocesano para a Comunicação Social
Contactos
Director

P. Paulo Alexandre Terroso Silva

Morada

Rua de S. Domingos, 94 B
4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190